fevereiro 21, 2012

Futebol - Primeiro instrumento de comunicação verdadeiramente universal...

Não me aguentei depois que li o post do Sérgio Lima, por isso resolvi vir aqui no blog e escrever sobre o Museu do Futebol que fica em São Paulo, dentro do Estádio do Pacaembu.



Já fui ao museu duas vezes e com certeza me arrisco a passar por lá mais vezes, sempre que tiver oportunidade. Considero uma visita obrigatória a todos os amantes desta grande arte que move multidões.
Trata-se de três pavimentos totalmente interativos que apresentam as mais variadas curiosidades a respeito do tema. São narrações em áudio, projeções em tela, muitos vídeos, fotos, memórias e acontecimentos do futebol em diferentes épocas, times, jogadores, regras e enfim, tudo que você puder imaginar.
Em um dos espaços você pode chutar uma bola ao gol, por ali é verificado a velocidade do seu chute. Acessando o Chute a gol no site do Museu, você consegue a foto do seu chute...
Em outro espaço, tem uma quadra interativa que você chuta uma bola virtual.
O espaço que mais gostei, sem dúvidas é o que traz embaixo da arquibancadas umas projeções em 3D com vários videos mostrando os gritos das torcidas. É como se você estivesse no meio delas.
São muitos trechos e textos de curiosidades.
Vou colar aqui, um dos textos que me agradou bastante, que é possível encontrar lá. 

“O amor ao futebol como disputa apaixonada faz com que se perca de vista o seu papel transformador. Mas o fato é que o futebol tem sido uma ponte efetiva (e afetiva) entre a elite que foi buscá-lo no maior império colonial do planeta, a civilizadíssima Inglaterra, e o povo de um Brasil que, naqueles mil oitocentos e tanto, era constituído de ex-escravos. Juntar brancos e negros, elite senhorial e povo humilde foi sua primeira lição. O futebol demonstrou que o desempenho é superior ao nome da família e a cor da pele. Ele foi o primeiro instrumento de comunicação verdadeiramente universal e moderno entre todos os segmentos da sociedade brasileira. Ele tem ensinado a agregar e desagregar o Brasil por meio de múltiplas escolhas e cidadanias.
A segunda lição veio com seu desenho. Ele exprime valores antigos (a ideia de que há sorte em todos os confrontos), mas é dele também o ideal moderno de treino. Como uma atividade aberta, ele não discrimina tipos físicos e classes sociais.
O sujeito pode ser preto ou amarelo, alto ou baixo, culto ou ignorante, mas o que interessa é que saiba jogar. Mais: seu foco não são as nobres mãos que levam para o céu (como acontece no vôlei ou no basquete), mas os humildes pés que nos atrelam ao chão e a terra. No futebol, o pé que carrega o nosso corpo transforma-se num mágico instrumento capaz de enganar o adversário e de controlar e passar a bola. Como a capoeira, o jogo do ‘pé na bola’ trouxe a multidões de brasileiros a possibilidade de, ao menos simbolicamente, inverter o jogo. No Brasil, ele abriu a possibilidade de trocar as mãos pelos pés.

O pé, associado à pata e à brutalidade das bestas de carga, muda de posição no futebol. Nele usa-se o pé, sim, mas com método. Seguindo um regulamento que torna as chuteiras de todos os tamanhos e feitios, iguais. E aí está sua lição mais importante: o futebol civiliza o pé. Ele mostra que a parte mais atrasada e bárbara do corpo pode ser submetida não só às sutilezas do jogo, mas à civilidade do saber ganhar e perder sem ódio, de modo transparente e por esforço próprio. Sem a ‘mãozinha’ dos amigos ou parentes. Foi num campo de futebol, não num parlamento, que o povo brasileiro teve a prova de como é maravilhoso juntar treino com talento; ordem com imprevisibilidade; jogadas espetaculares com uma estrutura fixa; e, finalmente, o vitorioso com o derrotado. No futebol, como na democracia igualitária, o ganhador não pode existir sem o perdedor, que terá o triunfo amanhã, mas que hoje, na derrota, valoriza e legitima a nossa vitória.”  
De arrepiar, não é mesmo? O texto é do antropólogo Roberto da Matta.

ps.: O Museu também traz uma parte destinada a educação, pode-se agendar uma visita educativa com metodologias especificas adequadas ao público.
Abaixo um bônus com a foto das bandeiras dos times, destaque para primeira (da direita para esquerda) e mais linda de todas.


Veja também: 
Futebol Civiliza os Pés - Por Sérgio Lima

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário